Header Ads

Mãe de Bin Laden: “Era um bom rapaz que sofreu lavagem cerebral”

Osama Bin Laden foi o inimigo número 1 dos USA
De menino amável a líder de uma das maiores organizações terroristas do mundo. Pela primeira vez, a vida de Osama Bin Laden foi narrada por quem esteve com ele antes de se tornar um dos homens mais odiados e caçados no mundo: sua mãe e seus irmãos. Em entrevista publicada nesta quinta-feira (2) pelo jornal britânico The Guardian, Alia Ghanen apresenta o homem apontado como responsável pelo maior atentado terrorista realizado nos EUA como um rapaz estudioso que tomou o caminho errado levado por más influências.

“As pessoas na universidade mudaram ele. Ele era uma criança muito boa até ele conhecer pessoas que basicamente fizeram uma lavagem cerebral nele, com vinte e poucos anos”, disse Ghanem ao repórter Martin Chulov, numa conversa realizada em junho, na cidade saudita de Jidá. O filho de Ghanen estudou na Universidade Rei Abulaziz, em Jidá mesmo. Foi lá que Bin Laden conheceu Abdullah Azzam, membro da Irmandade Muçulmana e que se tornou uma espécie de conselheiro espiritual. Foi ele a referência para Bin Laden fundar a Al-qaeda, quando ainda lutava na guerra do Afeganistão contra a ocupação russa, com o apoio de seu país natal e dos EUA. 
Ele era uma criança amável mais sofreu uma lavagem cerebral na universidade
“Você pode chamar isso de um culto. Eles conseguiram dinheiro para a sua causa. Eu sempre disse a ele para ficar longe deles e ele nunca me diria o que estava fazendo, porque ele me amava muito”, disse a mãe. Ahmad e Hassan, os dois meio-irmãos de Bin Laden, filhos de Ghanen com seu segundo marido, Mohammed al-Attas, também participaram da conversa com o repórter do Guardian.

Eles afirmam que, 17 anos depois dos atentados em 11 de setembro, sua mãe ainda está em negação em relação à responsabilidade do filho mais velho.
“Ela culpa aqueles que estavam ao redor dele. Ela só conhece o lado bom garoto dele, o lado que todos nós conhecemos. Ela nunca conheceu o jihadista”, comentou Ahmad. 
Entrevista estratégica para Arábia Saudita
A entrevista com a família de Bin Laden foi concedida em circunstâncias especiais e com a anuência do governo da Arábia Saudita. Desde 11 de setembro de 2001, o governo saudita é acusado de ser cúmplice das ações de Bin Laden. Famílias das vítimas do World Trade Center, inclusive, processam a Arábia Saudita por conta disto. No entendimento destas famílias, o regime conservador saudita seria responsável pela expansão da ideologia que resultou no crescimento de grupos jihadistas. 
A atuação de Bin Laden na Guerra do Afeganistão de fato contou com o apoio de seu país e os irmãos de Bin Laden dizem que ele era muito respeitado por isto.Para o governo saudita, no entanto, ele se transformou em um problema quando retornou da guerra e virou uma espécie de garoto-propaganda do regime Talibã do Afeganistão, no início dos anos 90. Em 1996, Bin Laden foi recebido de volta em terras afegãs como exilado. Poucos anos depois, já era o líder terrorista mais procurado do planeta.

Em meio a um processo de modernização de seu regime monárquico e teocrático, é de total interesse da Arábia Saudita que a história de Bin Laden seja passada a limpo. A quarta filha de Ghanen e meia-irmã de Bin Laden, Fattima Al-Attas, vive na França e não participou da conversa e disse se opor à realização da entrevista. Por muito tempo depois do 11 de Setembro, a rica família de Bin Laden, cujo padrasto é um executivo de sucesso em uma gigante da construção civil saudita, teve seus passos extremamente controlados pelo governo. 
Arábia Saudita tenta se desligar de Bin Laden

Passado e futuro de Bin Laden
A última vez que Ghanen e o restante da família mais próxima de Osama Bin Laden o viram foi em 1999, quando ele se escondia no Afeganistão. “Ele ficou muito feliz em nos receber. Nos levou para conhecer os arredores e as pessoas todos os dias em que estivemos lá. Ele matou um animal, nos ofereceu um banquete e convidou todo mundo”, lembra a mãe. Ela ainda hoje visita, semanalmente, o harém de Bin Laden. Duas de suas esposas, com os filhos e filhas, foram autorizados a retornar para a Arábia Saudita. “Elas moram perto daqui”, contou Ghanen.

Sobre a sucessão de Bin Laden por seu filho mais novo, Hamza, os irmãos do líder terrorista mais conhecido da história se disseram surpresos. “Achávamos que toda a família tinha superado”, contou Hassan ao Guardian. “Se pudesse, diria a ele ‘Que Deus te guie. Pense duas vezes antes de seguir os caminhos de seu pai. Você está em contato com partes horríveis da sua alma.”
Fonte: Portal R7


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.